POLÍTICA DA DOR! CPI da Pandemia é usada como palanque eleitoral no DF




Em meio há uma crise sanitária e econômica que o Distrito Federal e o Brasil está enfrentando, CPI na Câmara Legislativa do Distrito Federal se transforma praticamente em um palanque político para 2022.


Segundo último boletim divulgado pela Secretaria da Saúde, o Distrito Federal chegou a marca de 163,498 casos confirmados e 2,573 óbitos pela Covid-19, e não são apenas números, são pessoas que estão enfrentando uma batalha pela vida e outras que infelizmente perderam a guerra. Milhares de famílias que estão enlutadas, sofrendo uma dor diária da perda.


Como citei acima, estamos enfrentando duas crises, a sanitária e a econômica, mas poderia aqui inseri mais uma; a ”crise moral”, crise essa, que tem prejudicado a nossa nação durante décadas e não está sendo diferente no Distrito Federal. Nessa crise, princípios e valores são negociados, a dor, a angustia viram moedas de troca, de barganha, se transformam em palanques eleitorais.


O Governo do Distrito Federal, especificamente a Secretaria de Saúde foram alvos da Operação Falso Negativo deflagrada pelo Ministério Público do Distrito Federal, que investiga supostas irregularidades na compra de testes para detecção de covid-19, onde parte da cúpula da saúde foi presa.



Do outro lado temos a Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF) que discute a instalação de uma nova Comissão Parlamentar de Inquérito, CPI da Pandemia, que continua sem consenso na casa. Rodrigo Delmasso (Republicanos 10) criticou de forma veemente a instauração da comissão que já foi assinada por 13 distritais.


“O MP já vêm fazendo essas investigações de forma técnica, responsável e muito bem aprofundada. Fazer qualquer outra coisa paralela ao que o Ministério Público já vem fazendo pode atrapalhar as investigações”, diz Delmasso.

A CPI da Pandemia no meu entendimento poderia até ser uma aliada importante do MPDF, porém mesmo antes de ser instaurada, se transformou em um verdadeiro palanque político para o Palácio do Buriti em 2022, que tem como base de sustentação a dor e o sofrimento do povo brasiliense e que se não mudar completamente poderá prejudicar as investigações do MP.


Pretensos candidatos ao GDF em 2022 tem influenciado, pressionado distritais na criação da CPI, entre eles os senadores Izalci Lucas (PSDB), José Antonio Reguffe (PDT) e Leila do Volei (PSB). A pegunta que não quer calar é;

‘‘Qual a real motivação para instalação dessa comissão?” Será que é realmente uma investigação, uma apuração séria?, algo que é dever, que é esperado dessa casa legislativa, ou será apenas uma plataforma com o objetivo eleitoreiro?


Caro leitor, como cidadão, eleitores, não podemos de forma nenhuma ver esse tipo de situação como normal, como algo corriqueiro, lembre-se que cada um dos políticos eleitos, sejam Distritais, Federais ou Senadores, são apenas funcionários meu e seus. Ligue para o seu Distrital eleito, envie um e-mail, cobre resposta sobre essa comissão que está aparentando ser um Palanque Político da Dor e não uma CPI, o braço do povo.

Por Marcos Alexandre

https://www.portalimparcial.com.br/

  • White Facebook Icon
  • Branca Ícone Instagram
  • Branca ícone do YouTube
  • White Twitter Icon
leão icone.png

LEIA PRIMEIRO

© 2020 POR MARCK PUBLICIDADE.